Adicionar aos favoritos   Login   Pesquisar 

Notícias

2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 

04/05/2009

Animais cada vez menos de estimação.

(Fonte: Rádio Renascença)

Está a aumentar o número de animais de estimação abandonados e em mau estado físico.


As dificuldades financeiras estão a levar alguns donos a desleixar os cuidados a ter com o seu animal e, muitas vezes, a abandoná-lo.

“O que nos tem acontecido ultimamente é que nos têm chegado animais de raça, o que não era habitual, de pessoas que não os podem manter”, refere Luísa Barroso, presidente da União Zoófila.

Muitos destes animais estão doentes e os donos não têm como os tratar. Luís Barroso defende a intervenção da Câmara Municipal para “ajudar as pessoas com mais dificuldade com os seus animais”.

“Por exemplo, vacinação gratuita ou a preços reduzidos e esterilização em massa”, indica, argumentando que, assim, “deixaríamos de ver tantos animais errantes abandonados”.

Luísa Barroso sublinha ainda que, ao esterilizar os animais, os donos estão a prevenir “doenças futuras”, o que significa reduzir os gastos com o animal.

Mas não só animais doentes chegam à associação. A situação económica fragilizada de muitas famílias tem levado muitas pessoas a pedir ajuda à União Zoófila.


Pense bem antes de ter um animal

Ter um animal de estimação não é o mesmo que ter um brinquedo. O aviso é da presidente da União Zoófila.

“As pessoas às vezes olham para um animal como se fosse a solução para os problemas pessoais que possam ter”, diz.

Ora, ter um animal implica ter despesa com alimentação, higiene e saúde. Isto, sem contar com o tempo que é necessário despender para lhe dar atenção.


Como poupar nos custos?

Se já tem um animal, pode poupar na alimentação, optando por lhe dar ração em de lhe cozinhar as refeições.

“Uma ração pode parecer mais cara, mas não é”, diz Luísa Barroso, sublinhando que existem rações para todo o tipo de animais e para todo o tipo de problemas que eles possam ter, como obesidade ou problemas de bexiga.


União Zoófila em dificuldades


Por causa do aumento de animais abandonados, a União Zoófila enfrenta maiores dificuldades. A ração está a escassear e os custos são cada vez maiores.

“Os animais vêm a precisar de tratamento urgente, o que para nós é muitíssimo mais complicado, porque não é simplesmente recolher o animal, desparasitá-lo e alimentá-lo, é muitas vezes ter que o internar e às vezes trazem patologias complicadas que nos obriga a ter gastos muito elevados com eles”, explica Luísa Barroso.

A presidente da União Zoófila diz que a adopções de animais diminuíra, mas isso não é, necessariamente, um mau sinal, pois significa que as pessoas têm consciência de que não o podem manter.

“Acho isso uma atitude sensata”, diz, lembrando que existe sempre a hipótese de apadrinhar um animal.

Neste caso, a família paga uma mensalidade (8 euros se apadrinhar um gato e 13 euros no caso de um cão) e não tem que se preocupar com a alimentação diária ou a ida ao veterinário.

Se quiser contribuir para mais coisas relativas ao animal apadrinhado, é uma ajuda sempre bem-vinda na União Zoófila.


Começar já a preparar as férias

“Este ano, devido à crise, os hotéis são capazes de ter menos afluência, mas convém marcar com alguma antecedência”, lembra Luísa Barroso.

“Há hotéis de vários preços, há publicidade disponível e até já há baby-sitters”, aponta ainda a presidente da União Zoófila, que apela a todos os donos de animais que tratem com antecedência das suas férias.

“É bom preparar com uma certa antecedência as férias do animal para não chegar à véspera da partida e não ter onde o deixar”, sublinha, lembrando que ninguém compra o bilhete de avião ou reserva um hotel de um dia para o outro.

“Então porque é que já não nos procurou com antecedência, para podermos ajudar?”, questiona.

Rss
Treino de Cães ao Domicílio «» Casa do alto