Adicionar aos favoritos   Login   Pesquisar 

Notícias

2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 

17/07/2008

Paulo Sérgio a caminho de Helsínquia.

(Fonte: Jornal Reconquista ) Ao sagrar-se campeão nacional de Agility (desporto praticado por duplas compostas de um cão e o seu condutor) com a sua Wendy, o albicastrense Paulo Sérgio Cruz está a caminho do Campeonato Mundial da modalidade que este ano tem lugar em Helsínquia, na Finlândia. Paulo Sérgio Cruz sagrou-se recentemente campeão nacional de Agility com a sua Wendy (uma fêmea de Cavalier King Charles). Para este «albicastrense» nascido em Moçambique e actualmente radicado em Lisboa “tudo começou em 2002, quando decidi comprar um cão e levá-lo a uma escola para aprender a sentar e deitar… aí tomei contacto com o Agility”, confessa ao Reconquista, ainda a saborear o título. Para quem desde os 10 anos está envolvido na prática desportiva (praticou ténis no Albi Sport Club) e sempre gostou de animais, este desporto extremamente competitivo tornou-se uma saudável «atracção fatal»: “o vício do desporto que se prolongou pela adolescência na Rádio Juventude através do acompanhamento com relatos do Benfica e Castelo Branco e da Associação Desportiva Albicastrense ainda me corre nas veias e catapultei-o agora para esta realidade” Este desporto serve também para ajudar a mitigar o ritmo forte da grande cidade e das exigências profissionais do dia a dia. Paulo Sérgio Cruz lembra que “na escola dos cães o stress desaparecia, ali eu encontrava o desporto e a espiritualidade (entre os animais) que me davam forças para continuar competitivo no trabalho no dia seguinte”. Depois, como o próprio reconhece, naturalmente tudo se desenvolveu. Seguiu-se um curso de formação de treinadores, livros, cassetes VHS, DVDs (adquiridos na internet de Inglaterra, Alemanha, França e EUA) workshops e participação em seminários de treino com concorrentes de nível mundial realizados no nosso país... “tudo somado ajudaram-me a construir uma técnica de treino e condução de Agility capaz de ombrear com os melhores de Portugal, bem longe vão os tempos em que me deslocava à antiga FIL (na Av. da Índia) para assistir às Feiras de Cães e me deslumbrava com o espectáculo dos concursos de saltos”. O primeiro troféu foi alcançado em 2004, seguiu-se um período natural de crescimento e maturação em competição, melhoramentos constantes da técnica de treino, com a última época 2006/2007 já a alcançar o 3º lugar nacional. Era finalmente o caminho para o título, “um primeiro sinal de que já se competia ao nível dos melhores mas, apesar de algumas vitórias em provas, ainda sem o equilíbrio/regularidade dos campeões”, como refere. Esta época afigurava-se como decisiva. “A maturidade da Wendy e a minha quase perfeita integração na competição previam um ataque cerrado à concorrência. Desde cedo liderámos a classificação, depois no período das provas difíceis de Inverno arredaram-nos do 1º lugar, recuperado logo a seguir no início da Primavera e mantido até à última prova... o título foi disputadíssimo entre os três primeiros classificados até ao fim”, destaca com entusiasmo. “Este título representa muito para mim, principalmente porque foi um trabalho com o meu primeiro cão na modalidade, uma raça pouca talhada para o Agility, um verdadeiro cão de sofá, que a custa de muita dedicação e investigação, consegue fazer provas ao nível dos melhores”, revela. Agora segue-se a participação no mundial, onde um lugar entre os 20 primeiros já seria uma vitória.
Rss
Treino de Cães ao Domicílio «» Casa do alto