Adicionar aos favoritos   Login   Pesquisar 

Notícias

2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 

18/02/2009

O meu animal pode transmitir doenças ao meu filho?

(Fonte: Educare)

Serviço de Pediatria do Hospital de São Marcos de Braga «» 2009-02-18
 
No caso da toxoplasmose, a infecção ocorre através da ingestão de alimentos infectados por oocistos provenientes das fezes dos gatos (geralmente alimentos de solo tais como morangos e legumes) ou carne crua ou mal cozida, directamente pelas fezes de gatos infectados ou de mãe para filho através da placenta.
 
As zoonoses são doenças e infecções dos animais que podem ser transmitidas ao Homem. Estas doenças são geralmente transmitidas por animais estreitamente associados aos humanos, quer animais de estimação (cães, gatos, papagaios), quer vectores (ratos, insectos), quer ainda fontes de alimento (porcos, vacas).

As doenças transmitidas através das fontes de alimento são, na grande maioria, controladas pelas entidades responsáveis pela Inspecção Sanitária e Controlo Alimentar nas explorações pecuárias, matadouros, supermercados, etc. Assim, actualmente, o maior risco potencial de contrair as diferentes infecções que advêm de alimentos contaminados (brucelose, tuberculose, doenças de Creutzfeldt-Jakob ou "doença das vacas loucas", salmonelose, entre outras) está na ingestão de alimentos directos da fonte, os chamados "produtos caseiros", não certificados, ou seja, que não foram submetidos a rigorosa inspecção sanitária.

Neste artigo vamos debruçar-nos principalmente nas zoonoses transmitidas por animais de companhia ou através de vectores, dando exemplos e formas de prevenção.

Parasitoses intestinais ("ténias e lombrigas")
O cão e o gato domésticos podem estar infestados com estes organismos e transmiti-los aos seres humanos, nomeadamente a crianças jovens. Quer os animais quer o Homem podem também ser infestados pela ingestão de alimentos contaminados.

Os principais sintomas destas infestações são dor abdominal ligeira, com ou sem diarreia, falta de apetite e eliminação dos parasitas nas fezes, mas a maioria das situações não dão sintomas.

As formas de prevenção destas infestações são a desparasitação de quatro em quatro meses dos animais e, eventualmente, desparasitação anual das crianças e família. Além destas formas de prevenção devem aplicar-se as medidas básicas de higiene como a cozedura adequada da carne e lavagem cuidadosa das verduras, legumes e frutas crus, obtendo um controlo e evicção eficazes destas infestações.

Toxoplasmose
A infecção por Toxoplasma gondi ocorre numa série de animais de sangue quente, mas os gatos são o único hospedeiro definitivo, onde ocorre o ciclo sexual do parasita. Após a infecção nos gatos, através da ingestão de animais caçados (geralmente roedores) ou de carne crua, há a excreção da forma infectante pelas fezes. Os gatos infectados são geralmente aqueles que andam na rua e não os gatos de apartamento. Os cães, pela sua posição no ciclo de vida do parasita, não podem ser infectantes para os humanos.

No caso da toxoplasmose, a infecção humana ocorre através da ingestão de alimentos infectados por oocistos provenientes das fezes de gato (geralmente alimentos de solo tais como morangos e legumes) ou carne crua ou mal cozida, directamente pelas fezes de gatos infectados ou de mãe para filho através da placenta.

A infecção nos seres humanos adultos ou crianças raramente dá sintomas ou complicações, excepto se estiverem com o sistema imune comprometido. A infecção do feto humano através da placenta (infecção da grávida e passagem para o feto) representa a maior ameaça nos seres humanos pois pode levar a diferentes manifestações graves incluindo abortamento, prematuridade e morte fetal. Os recém-nascidos infectados podem ter febre, aumento do fígado e do baço, icterícia, convulsões, calcificações no cérebro, paralisia, atraso de desenvolvimento, problemas oftalmológicos, entre outros.

Devem ser rastreadas todas as mulheres antes e durante a gravidez, para saberem se são imunes ou não à toxoplasmose. Se for provada infecção durante a gravidez, a grávida deve ser tratada o mais precocemente possível. Se não forem imunes as grávidas devem ter alguns cuidados tais como: manusear carnes cruas e verduras com luvas, lavar cuidadosamente as verduras e frutas cruas, retirar a casca das frutas, evitar ingestão de enchidos ou carnes mal cozinhadas, evitar manusear fezes de gatos, uso de luvas durante a jardinagem. Podem-se rastrear os gatos quanto à presença de Toxoplasma gondi no veterinário.

Dermatomicoses ("tinha")
A transmissão directa de cães e gatos ocorre em cerca de 30% dos casos de tinha nos humanos. Os donos desses animais devem ser aconselhados a lavarem bem as mãos após a manipulação do cão ou gato infectado e a não permitirem que os seus filhos brinquem com os animais até que o tratamento tenha resolvido a doença.

No caso de o seu animal apresentar algum problema de pele que faça suspeitar de dermatomicose ("peladas" redondas) deve consultar o médico veterinário para que se faça um diagnóstico correcto e precoce e se inicie tratamento para que o animal deixe de ser rapidamente infectante e, após algumas semanas, fique curado.

Doença da arranhadela do gato
Esta doença é provocada por um microrganismo Bartonella henselae e é mais comum no Outono e Inverno. Há história de arranhadura em 67% dos casos ou contacto com gato em 90% dos casos e o gato em questão é habitualmente saudável. A doença começa com uma lesão primária (tipo pápula ou conjuntivite) no local da inoculação, posteriormente há um aumento dos gânglios locais (por ex. debaixo do braço se a arranhadela for na mão ou braço), podendo ser acompanhado de mal-estar geral, dores de cabeça e febre. Este aumento dos gânglios pode durar até 8 meses mas habitualmente resolve-se espontaneamente em dois meses. O tratamento é com antibiótico.

A prevenção desta doença passa pelo corte das unhas do gato e evitar as arranhadelas. Se acontecer, desinfectar imediatamente a zona arranhada.

Raiva
A raiva é uma doença vírica transmitida ao Homem exclusivamente através da mordedura do cão ou do gato. Em Portugal há mais de duas décadas que não há registo de casos de raiva em animais domésticos e muito menos em humanos. Este facto deve-se, sem dúvida, a uma vacinação massiva dos animais, vacinação esta que é obrigatória por lei e deve ser mantida, pois não há controlo dos animais selvagens e as fronteiras com países onde a raiva é ainda um problema estão abertas. A prevenção é realmente importante e permite um contacto seguro entre as crianças e os seus animais de companhia.

Histoplasmose
É provocada por fungos encontrados em fezes secas de passarinhos, pombos e morcegos. A contaminação ocorre geralmente através da inalação ao fazer limpeza das gaiolas desses animais. A doença é de evolução lenta tanto nas crianças como nos adultos.

Manifesta-se através de febre, aumento dos gânglios no pescoço, virilhas e debaixo do braço, infecção pulmonar, diminuição das células vermelhas do sangue (anemia) e diminuição das células brancas do sangue (responsáveis pela defesa contra infecções).

Ao limpar-se os galinheiros, pombais e gaiolas devem utilizar-se máscaras protectoras ou pano húmido cobrindo o nariz; devem-se humidificar as fezes antes de removê-las para evitar a poeira que elas provocam e assim diminuir o risco de contaminação.

Salmonelose
A Salmonella spp é a bactéria responsável pelos sintomas desta doença, que se transmite pela contaminação de água ou alimentos ou de forma directa. Afecta qualquer animal vertebrado. As tartarugas são portadoras assintomáticas, isto é, podem transmitir a doença sem ter sintomas.

Os sintomas são vómitos, diarreia, desidratação, febre baixa. O tratamento baseia-se apenas na hidratação e os antibióticos estão contra-indicados, excepto em situações muito específicas.

A prevenção passa por evitar o contacto com os animais doentes, lavar muito bem as mãos, evitar contacto com tartarugas (nomeadamente as crianças mais pequenas) e principalmente não lavar o aquário destes pequenos animais nos locais de lavagem de alimentos.

Dária Rezende, Serviço de Pediatria do Hospital de São Marcos de Braga
Jorge Ribeiro, veterinário da Clínica de Animais de Companhia do ICBAS - Universidade do Porto

Rss
Treino de Cães ao Domicílio «» Casa do alto